As mães (ou pessoas) narcísicas

mini

As mães narcísicas, mas também os pais, os filhos, irmãos, a tia, a avó ou o sogro ou a sogra, são personagens difíceis. Perfis inflexíveis, irredutíveis, altivos, com incapacidade de assumir o erro, ou pedir desculpas. São as eternas vítimas, que ninguém compreende ou dá o valor suficiente, pessoas orgulhosas, por vezes manipuladoras (com ou sem consciência disso), que esperam obediência, submissão e correspondência dos seus familiares. Correspondência a desejos, caprichos e necessidades, porque este tipo de pessoas só consegue ver as suas próprias necessidades.

Sim, são o tipo de pessoas egocêntricas, cuja estrutura de personalidade está moldada de uma determinada forma, que não lhes permite flexibilidade, empatia, compaixão por outros, introspecção ou espírito crítico sobre si. Fazê-lo é altamente destruturante e ameaçador para estes perfis. Estas estruturas estão organizadas sobre si mesmas sob a forma de defesa e protecção, “eu vs o mundo ou os outros”. Não existe meio termo. Estas pessoas não têm a capacidade de ver para além do seu próprio conceito, ideia, crença ou expectativa.

Estas pessoas têm altas expectativas sobre os outros, sem qualquer tipo de merecimento, por vezes. Ou seja, não fazendo nada em concreto para merecer o suporte ou o apoio de outras pessoas, nomeadamente dos familiares, que tentam desesperadamente agradar ou aquiescer às vontades, muitas vezes, exageradas ou impensadas, relativamente ao bem-estar de outros. O que quer dizer que só as suas próprias necessidades importam e devem ser, a todo o custo, satisfeitas.

A consequência de não se prestar vassalagem é o desprezo, a vitimização, a retirada de amor ou afecto, a indiferença e a culpabilização (e às vezes, alguma forma de vingança pessoal). Estas pessoas não aceitam ou respeitam, ou sequer compreendem, a noção de espaço pessoal ou limites. Quebram todos eles, todos os protocolos porque não há a capacidade de se colocarem no lugar do outro ou de se questionarem sobre os próprios actos ou atitudes. Tudo é justificado. “Se não fazes o que preciso, não mereces o meu amor”, é o pensamento inconsciente e a atitude que ostentam.

Como se lida com estas pessoas? Primeiro há que identificar o padrão patológico de funcionamento relacional destas pessoas, observar, e afastar-se emocionalmente. Tratar com cordialidade, respeito, mas assertivamente, mantendo limites claros. Não entrar em discussões ou argumentações fúteis. A pessoa narcísica vai gostar? Não, não vai. Normalmente há a fase de amuo, de queixas a quem quiser ouvir, e, posteriormente, agir como se nada se tivesse passado, nunca, jamais, assumindo a culpa sobre o que seja ou mencionando o assunto novamente.

As outras pessoas devem acomodar-se, não mencionar mais o sucedido, e o reino voltará novamente à paz, com este rei ou rainha tirano, com dupla moral. Há aqui um complexo de governante, aristocrata ou deidade. “Eu acima de tudo o resto”. Não há a capacidade de olhar para dentro, reconhecer o erro e emendá-lo. Mesmo que haja, há a dificuldade em assumi-lo e pedir desculpas por ele.

Pode quebrar-se este ciclo vicioso e pode evadir-se deste reinado, só tem de aprender a dizer não, a reconhecer as suas próprias necessidades e fazer aquilo que é justo, e certo para si. Você não tem a responsabilidade perante aquela pessoa, se essa pessoa é adulta. Cada um deve assumir o papel que é seu, e ser responsável por ele. Quando não é capaz de tal responsabilidade, não pode ser você a suportar esse mesmo papel.

Como quem quebra correntes, há a necessidade de reconhecer o seu valor, aquilo que precisa para ser feliz e fazê-lo, a todo o custo, sem se deter sob a ameaça de amuo, vitimização ou culpabilização da outra parte. Mesmo que essa outra parte não pareça compreender, ou aceitar as suas necessidades. Na verdade, não precisa fazê-lo. Só você pode viver a sua vida, preferencialmente, sem se sentir culpada. Caso não consiga romper esses grilhões sozinha, procure ajuda para poder desconstruir estes conceitos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s